textos

Essa sou eu

13:32:00

Oieeee! Quanto tempo não apareço por aqui... Mas eu volteiii! E para consagrar a volta em grande estilo, esse post vai estrear a tag "Textos". Espero que vocês gostem, e quem sabe, se identifiquem!

***

         
                                       
     Acho que eu nunca fui boa o suficiente. Nunca mesmo. Eu sempre estive ali, no meio termo. Ah, mas se tem uma coisa que nem meio termo é, em mim, é a minha autoestima. Minha baixa autoestima. Ela vive lá no fundo do poço. Eu sou um total de 0 confiança. Não tenho, na verdade, nunca tive. Eu sempre vejo as pessoas se arranjando e eu, no meu mundinho. Enquanto alguns namoram, ficam, ou sei lá o que fazem, eu estou sempre sozinha. Sozinha é uma palavra muito forte. Não acho que é a palavra certa, mas no momento não consigo pensar em outra que me define. Até nisso eu sou indecisa. A indecisão gira em torno de mim. A desconfiança e a baixa autoestima também. Às vezes fico me perguntando o porquê eu ser assim. Deve ser porque eu não acredito em mim, não mesmo.

     Como disse, não consigo acreditar em mim. Eu não sou bonita, não tenho corpão e sou chata (é o que dizem). Em alguns casos, nem precisa ser dito. Eu mesma me classifico assim. Eu fico pensando no quanto eu queria ter um namorado para ficar ao meu lado e fazer coisas que eu gosto, comigo. Mas aí eu paro e penso: como arranjar um namorado se eu sou um 0, bem redondo, à esquerda? Sou invisível, aposto. Eu não tenho nada, nadinha, que chame atenção. Então, eu aceito. Apenas. Não consigo entender, mas aceito. Ah, qual é? Eu nem sou tão chata assim. Nem tão feia. Nem tão desconfiada. Nem tão insegura. Nem tão solitária. Mas então por que eu não consigo ser “vista”? Acho que sou um pouco, só um pouco, exagerada. Exagerada é meu sobrenome. Teimosa também. Nossa como sou!

     Alguns dizem que pra encontrar a pessoa certa o segredo é não procurar. Uma hora a pessoa certa vai aparecer. No lugar certo. Na hora certa. Mas eu sou muito curiosa, muito apressada. Não sou nem um pouco calma. Simplesmente não tenho paciência para esperar. Mais um dos meus milhares e incontáveis defeitos. Ah, eu também sou sonhadora. Eu olho para um menino que achei gatinho e penso “ele poderia ser meu namorado, mas nossa, ele é tão babaca!”. Eu crio expectativas demais e sempre saio machucada na história. E é por isso que eu escrevo. Eu tenho necessidade de expor o que eu sinto. Já pensei em ir a um psicólogo, mas acho que não conseguiria falar nada. Afinal, eu também sou tímida. Sim, sou beeeem tímida. Não consigo me expressar através da fala, em certos casos. Guardo tudo pra mim. Tudo mesmo.

     Às vezes sofro com o fato de eu guardar tudo pra mim. E aí, eu alago tudo. Choro até não poder mais. Mas choro sozinha. Tenho vergonha de chorar na frente das pessoas. Ó a minha timidez atacando novamente. A verdade é que eu não sei por que sou assim. Só sei que sou. Já pensei em mudar. Tentar ser um pouco mais comunicativa e expressar através da conversa o que eu sou, o que eu sinto. Mas simplesmente não consigo. Eu travo. Eu sou estranha, é isso.

     Já disse que sou exagerada? Já, né? Mas é que eu sou mesmo. Eu adoro um drama, mas odeio quando os outros fazem. Por quê? Porque além de exagerada, teimosa, tímida e entre outros defeitos, eu também sou intolerante. Sim, intolerante a drama. E a injustiça, também. Acredito que eu não sou a única que tem esses defeitos. Acredito que o ser humano não é perfeito e todos têm direitos de ser assim. De ficar com raiva, de chorar, de se perguntar por que a vida é tão injusta... Mas se as pessoas, certas pessoas, conseguem viver com isso e começar um relacionamento, imperfeito, como todos, por que eu não consigo? A tal da hora certa. Ela ainda vai chegar, tenho fé. E uma coisa que eu aprendi vivendo nessa mistura de defeitos e incertezas, alegrias e tristezas, é que tudo passa. E tudo chega, também. Eu só acho que a minha hora já chegou. Ou não? 


- Fernanda De Rosa

You Might Also Like

0 comentários